Fé não é uma emoção

Aprenda a confiar em Deus

Enchi um copo com limonada bem gelada, apontei meu lápis e peguei minha Bíblia. Estava ansiosa para começar minha pesquisa. Mais cedo naquele dia, o professor da escola bíblica de verão havia nos instruído: “Traga para a aula um relatório a respeito de tudo o que o livro de Romanos fala sobre fé”. Achei que essa seria uma tarefa fácil, que não me tomaria muito tempo, mas fui apanhada de surpresa. Logo descobri que a palavra aparece inúmeras vezes no livro de Romanos e que meu estudo levaria mais tempo do que tinha estimado.

A definição de fé

Enquanto lia o que o livro de Romanos dizia sobre fé, fiquei me perguntando: “Fé é provavelmente a coisa mais importante da minha vida, mas como defini-la? O que é fé?”

A minha mente viajou oito anos no passado, quando entrei para a organização cristã, Cruzada Estudantil e Profissional para Cristo. Naquele tempo, eu não entendia o que era andar na fé. Eu achava que já tinha um entendimento maior do assunto. Mas mesmo com tudo o que eu já havia aprendido sobre fé, percebi que não conseguia defini-la.

Eu sabia que a Bíblia fazia centenas de referências à fé, como: “O justo viverá pela fé”1 e “esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé”.2 No entanto, fiquei surpresa de não conseguir elaborar uma definição simples e personalizada da palavra. Eu nunca havia completado a frase: “Para mim, fé é________________”.

Então orei: “Senhor, como você definiria fé?”

Uma história me veio à mente e nela Jesus dizia a alguém: “nem em Israel encontrei tamanha fé”. O que foi isso que Jesus chamou de “tamanha fé”?

Abri rapidamente na passagem de Lucas 7 sobre o centurião que estava disposto a crer que Jesus poderia curar seu servo leal e confiável que estava à beira da morte. O centurião disse a Jesus: “Senhor, não te incomodes, pois não mereço receber-te debaixo do meu teto”.3 Então o centurião usou um exemplo pessoal para ilustrar que compreendia o que significava ter autoridade e ser obedecido.

Em resposta ao centurião, Jesus virou-se para a multidão que o seguia e disse: “Eu lhes digo que nem em Israel encontrei tamanha fé”.4 Jesus parecia estar dizendo que ter “tamanha fé” era simplesmente crer que o que ele disse aconteceria.

Será que essa definição poderia ser confirmada em mais algum outro lugar nas Escrituras? Como o capítulo 11 de Hebreus é geralmente referido como o hall da fama dos “heróis da fé”, resolvi abri lá.

Creia no que Deus diz

Depois de ler e reler a passagem, com todas as referências à expressão “pela fé”, comecei a notar que todas as pessoas mencionadas tinham uma coisa em comum: não importava sobre quem o escritor de Hebreus estava falando, cada pessoa havia simplesmente acreditado no que Deus disse e obedecido à sua ordem. E eles foram lembrados pela fé deles.

Por exemplo, Deus disse a Noé para construir uma arca porque ele enviaria um dilúvio. Noé creu no que Deus disse e construiu a arca.5

Deus disse a Abraão para ir para um lugar que ele receberia como herança. Abraão creu no que Deus disse, deixou a terra que conhecia bem e partiu.6

Deus disse a Sara, a qual já tinha passado há muito tempo da idade de ter filhos, que ela conceberia um filho. As Escrituras declaram: “...Sara, apesar de estéril e avançada em idade — recebeu poder para gerar um filho, porque considerou fiel aquele que lhe havia feito a promessa”.7

Independente das circunstâncias, apesar dos argumentos da lógica e da razão, e independente de como ele ou ela se sentiu, cada pessoa mencionada em Hebreus 11 creu em Deus e em sua palavra e escolheu ser obediente.

Comecei a pensar que, se Lucas 7 e Hebreus 11 ilustravam essa grande fé, há alguma passagem que ilustra a falta de fé?

Lembrei-me então de um episódio em Marcos 4, no qual Jesus havia acabado de encerrar um dia cheio de pregações e de ensino no litoral da Galileia. Ele havia instruído seus discípulos a irem para o outro lado do mar. A princípio, eles creram no que Jesus disse, entraram num barco com ele e começaram a atravessar o mar. Mas quando surgiu uma tempestade, eles ficaram com medo e perderam a confiança de que realmente chegariam às margens. Jesus perguntou a eles: “Ainda não têm fé?”8 Mas ele também poderia ter facilmente dito: “Por que não acreditaram no que eu disse?”

Sempre gostei muito do primeiro versículo de Marcos 5: “Eles atravessaram o mar e foram para a região dos gerasenos”. A palavra de Jesus provou ser verdadeira.

Com o estudo que fiz dessas três passagens, cheguei a uma definição simples e prática de fé: Fé é acreditar no que Deus diz. Eu não tinha certeza de que conseguiria ter um relatório a respeito de tudo o que o livro de Romanos fala sobre fé, mas sabia que tinha aprendido alguma coisa que viria a ser muito importante na minha caminhada com Deus.

O que Deus diz sobre sua palavra?

Só que eu tinha mais uma pergunta. Se ter fé é acreditar no que Deus diz, o que ele mesmo diz sobre sua palavra? A resposta, eu encontrei nas próprias Escrituras:

“O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras jamais passarão.”9

“A palavra do Senhor permanece para sempre.”10

“A relva murcha, e as flores caem, mas a palavra de nosso Deus permanece para sempre.”11

Esses versículos estão me dizendo que tudo na vida muda, mas a palavra do Senhor permanece constante. Tal verdade é imutável.

Eu estava começando a ter um vislumbre de como a fé nas promessas de Deus poderiam me influenciar pelo resto da minha vida. Por exemplo, minhas emoções são muito intensas. Às vezes estou tão feliz que acho que nunca mais ficarei triste. Outras vezes estou tão triste que acho que nunca mais ficarei feliz de novo... E outras vezes eu quase não sinto nada.

Mas embora minhas emoções sejam muito fortes e flutuantes, sei que a Palavra de Deus é...

  • mais verdadeira do que qualquer coisa que eu sinta;
  • mais verdadeira do que qualquer experiência que eu tenha;
  • mais verdadeira do que qualquer circunstância que eu enfrente;
  • mais verdadeira do que qualquer coisa no mundo.

Por quê? Porque o céu e a terra passarão, mas as palavras de Deus jamais passarão. Isso significa que não importa o que eu sinta ou o que eu vivencie, eu posso escolher confiar na Palavra de Deus como a realidade imutável da minha vida.

Eu olho para trás, para aquela noite de verão para e aquela pesquisa como um momento de virada na minha vida. Inúmeras vezes desde então, quando emoções e circunstâncias pareciam mais reais do que própria vida, eu escolhi acreditar que a Palavra de Deus é mais verdadeira do que qualquer coisa. Eu escolhi andar pela fé.

Algumas vezes fazer essa escolha foi difícil.

E as emoções?

Houve momentos depois daquela noite de verão em que eu não senti o amor de Deus. Eu poderia escolher deixar isso me afligir até que eu entrasse num estado de autopiedade, ou eu poderia dizer: “Senhor, eu não me sinto amada. Essa é a verdade. É como estou me sentindo agora. Mas, Senhor, a sua Palavra diz que você me ama. Na verdade, você disse que me amou com um amor que jamais acaba.12 Você nunca deixará de me amar. O seu amor por mim é a única coisa que permanece quando tudo mais desaba.13 A sua Palavra diz que em você não há parcialidade, o que quer dizer que você não ama ninguém no mundo mais do que ama a mim. Por isso, Senhor, obrigada pelo seu amor por mim.14 A sua palavra é mais verdadeira e real do que como eu me sinto.”

Eu comecei a perceber que esse modo de lidar com minhas emoções me deu liberdade para ser honesta com Deus sobre elas, e para escolher acreditar na Palavra de Deus quando elas estivessem em contradição com as suas promessas.

Outras vezes senti medo, solidão ou fiquei deprimida. Meu coração literalmente doía de agonia por causa de circunstâncias da vida e, naqueles momentos, fui mais tentada a duvidar da verdade da Palavra de Deus. Mas, em vez disso, eu escolhi deliberadamente crer em sua Palavra. Por milhares de vezes as minhas orações começaram assim: “Senhor, eu estou me sentindo... mas, Senhor, a sua Palavra diz...” E então descobri que ele harmoniza as minhas emoções com as sua Palavra, no tempo dele e da maneira dele.

Fomos criados como seres emocionais

O que me ajudou, quando fui tentada a me condenar por causa de como eu me sentia, foi lembrar que Deus nos criou à sua imagem, e o fato de que somos seres emocionais está incluído nisso.

Não é errado ter emoções. Até Cristo tinha emoções. Ele não tentou “não sentir”. Ele não escondeu sua emoções; pelo contrário, ele as levava para dentro do seu relacionamento com o Pai. Ele era honesto, real, autêntico. No jardim do Getsêmani, na noite antes da crucificação, as Escrituras nos contam que Jesus estava “aflito”, “profundamente triste”, “atribulado” e “agoniado”.15 Jesus expressou como ele se sentia e confiou no Pai, embora estivesse rodeado por essas emoções.

Nós, também, temos uma liberdade imensurável para sermos francos com o Senhor sobre nossas emoções, para dizer a ele com honestidade como nos sentimos e o que está acontecendo na nossa vida.

Como devemos responder?

A Bíblia promete que, para aqueles que amam verdadeiramente a Deus, tudo o que acontece em nossas vidas contribuirá para nos moldar na imagem de Cristo.16 Alguns de nós já deve ter orado algo parecido com isto: “Senhor, oro para que me faça mais parecido você. Oro para que me conforme à imagem de Cristo”. Em geral, o que realmente queremos é que Deus nos anestesie, queremos estar inconscientes enquanto ele faz uma cirurgia nos nossos corações para conformar nosso caráter ao caráter perfeito de Cristo. Não queremos acordar até que a transformação esteja completa! Queremos o resultado, mas não o doloroso processo.

Porém, não é assim que Deus age. O Senhor se importa com o que passamos, mas acredito que ele se importe mais com a maneira como respondemos às situações que passamos. Essa resposta tem a ver com a nossa capacidade de fazer escolhas. Ele permite que tribulações, tentações e pressões da vida aconteçam para que tenhamos a oportunidade de responder, seja confiando nas nossas emoções e experiências de vida ou acreditando no que ele diz.

Eu aprendi a me acostumar a crer no que Deus diz. E agora é um hábito! Você e eu podemos nos acostumar a dar ouvidos às nossas emoções, pensamentos e circunstâncias e deixar que eles nos controlem; ou podemos criar o hábito de crer na Palavra de Deus apesar das nossas emoções e das nossas experiências de vida. Precisamos escolher intencionalmente crer que o que Deus diz é mais verdadeiro do que nossas emoções.

Eu fiz um compromisso vitalício de depositar a minha vida na Palavra de Deus, e ele tem honrado esse compromisso. Mas ainda assim, houve momentos em que eu podia ter facilmente quebrado meu compromisso, porque eu não conseguia acreditar que nada era mais verdadeiro do que o que estava ocorrendo comigo — momentos em que as minhas emoções gritavam para eu ir na direção contrária à Palavra de Deus. Mas, vez após vez, descobri que Deus era fiel à sua Palavra.

1Romanos 1.17 21João 5.4 3Lucas 7.7 4Lucas 7.9 5Hebreus 11.7 6Hebreus 11.8 7Hebreus 11.11 8Marcos 4.40 9Mateus 24.35 101Pedro 1.25 11Isaías 40.8 12Jeremias 31.3 131Coríntios 13 14Atos 10.34 15Mateus 26.37-38; Marcos 14.33; Lucas 22.44 16Romanos 8.28-29

Este artigo foi extraído do livro “Faith is not a feeling”, por Ney Bailey. Copyright © 2002. Publicação: Waterbook Press. Usado com permissão do autor.